TERTÚLIAS SOBRE GÉNERO E PODER NO CICLO “SHE IS POWER” (PT)

Março comemora o mês da mulher na Sociedade Harmonia Eborense.
Neste mês celebramos o lugar de todas as mulheres na sociedade, relembramos conquistas e reivindicamos a igualdade. Apesar dos progressos, ainda não chegámos a um ponto de paridade plena entre homens e mulheres. Isto acontece porque a desigualdade de género é, fundamentalmente, uma questão de poder. Séculos de sistema de poder patriarcal, onde os homens dominavam a esfera pública, motivaram diferenças socialmente traduzidas em desigualdades: laborais, contratuais, de oportunidades, ou de representação pública e política. A divisão cultural de género está ainda hoje presente nas nossas economias, sistemas políticos, linguagem, academias e lares*.

10 de Março || Quinta-Feira 21h30

Mulheres, género e associativismo”

María Zozaya-Montes (CIDEHUS-Universidade de Évora)

Resumo

«Viagem pelos espaços de sociabilidade informal e formal que revela o lugar concedido às mulheres em função da construção cultural de género. Mostra a presença feminina em associações masculinas entre 1836 e 1936 em Espanha e Portugal. Analisa o lugar estabelecido para a mulher no passado oferecendo também uma perspetiva da situação atual convidando a pensar sobre as possíveis mudanças». Resumo da autora M. Zozaya-Montes. Ler mais

Sobre a autora

María Zozaya Montes (Universidade de Évora) é Doutor Europeus em História (UCM), onde recebeu os prémios Extraordinário de Licenciatura e Doutoramento. É investigadora especializada em elites e espaços de sociabilidade cujas investigações receberam os prémios: RMR, AHS, e PVM. A partir da História Cultural faz estudos comparados entre os círculos de sociabilidade ibéricos de Espanha e Portugal. Escreveu múltiplos artigos e cinco livros sobre lazer, associações, redes e capital social na mudança do Antigo Regime ao Liberalismo (Sec. XIX-XX). Trabalhou no CSIC, na Universidade de Valladolid e atualmente no CIDEHUS-UÉ (FCT). Ler mais: La Sombra. Mujer y familia en un club privado masculino”, Historia Contemporánea (2014), Identidades en Juego (2016, Ed. Siglo XXI), ¿Tuvieron voz las mujeres… en las asociaciones masculinas del S.XIX? (2018), “Desigualdad privada, igualdad pública (2015).

.

17 de Março || Quinta-Feira 21h30

Amor y carreras profesionales: el caso de las maestras”

Teresa García (Universidade de Almería, Investigadora Visitante no CIDEHUS-UÉ)


Resumo

«Depois de constatar a feminização generalizada do ensino obrigatório, bem como a maior participação dos professores em posições de direção, investigámos as causas que explicam o facto das professoras terem menor acesso e pemanença em posições de poder e de tomada de decisões, incluindo a gestão escolar. Foram encontradas causas externas e causas internas à escola. Ambas estão inter-relacionadas e não podem ser compreendidas independentemente uma da outra, pois nenhuma explica por si só a menor presença de mulheres como diretoras; pelo contrário, as causas internas e externas alimentam-se mutuamente, tendo as causas externas uma forte influência sobre as causas internas. Uma das razões externas é o conceito e práticas predominantes de amor que diferem entre homens e mulheres, tornando difícil às professoras desenvolverem as suas carreiras, enquanto que estas são um apoio constante e contínuo aos seus homólogos masculinos». Resumo da autora T. García Gómez.

Sobre a autora

Teresa García Gómez (Universidad de Almeria): Professora titular de Didáctica e Organização Escolar na Universidade de Almeria. As suas linhas de investigação são: coeducação; relações de poder, educação e género; alternativas pedagógicas, educação democrática e inovação educacional; e formação inicial de professores. As suas publicações incluem a edição de Paulo Freire, Pedagogía liberadora (2015) e os artigos: “Bases do direito à educação”: Justiça social e democracia” (2018), “Que profissional da educação para que escola e para que sociedade? (2019);  “El Teatro-Foro como herramienta didáctica para el cambio educativo” (2020, con César Vicente Hernando) e “Proposta de formação inicial de professores para a democracia e justiça social baseada na aprendizagem de serviços” (2021). É editora da obra coletiva: Palabras y pedagogía desde Paulo Freire (2021); e junto com César Vicente Hernando La educación en el teatro. É coordenadora do Centro de Documentação de Alternativas Pedagógicas Democráticas.

.

24 de Março || Quinta-Feira 21h30

Rosalina Pisco (Universidade de Évora)
“Igualdade de género no meio académico na atualidade” 

Resumo

«Nesta quinta-feira vamos conversar sobre igualdade de género no meio académico. O mote é a elaboração de um Plano para a Igualdade de Género na Universidade de Évora (PRT), apresentado publicamente em março de 2022. A igualdade entre homens e mulheres constitui um princípio de cidadania consagrado na Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948 e é salvaguardado, a nível nacional, pela Constituição da República Portuguesa de 1976, na sua redação atual. Existem, no entanto, evidências que sustentam a persistência de entraves nas instituições que dificultam o acesso de mulheres e homens a categorias, recursos e condições de trabalho em igualdade de oportunidades, inclusive em instituições de ensino superior e unidades de investigação. Atenta a estes desenvolvimentos e desafios, em Outubro de 2020 a Universidade de Évora criou o Gabinete para a Igualdade de Género. O Plano que agora foi apresentado constitui um contributo empírica e cientificamente ancorado que, se espera, permita impulsionar uma cultura orientada para a igualdade, a equidade e a diversidade na academia, contribuindo para desconstruir estereótipos de género e promover um ambiente de trabalho, investigação, ensino e aprendizagem inclusivo e dinâmico, e, ao mesmo tempo, responsável, justo e solidário na proteção dos direitos das mulheres e homens, no estímulo de culturas de paridade e no impulso a políticas ativas de respeito pela diferença e promoção da igualdade.» Resumo da autora Rosalina Pisco.

Sobre a autora

Rosalina Pisco Costa é socióloga, professora auxiliar no departamento de Sociologia da Universidade de Évora e investigadora integrada no CICS-NOVA. As suas áreas de investigação e publicação principais cobrem uma grande variedade de objetos, incluindo a família, género e vida pessoal. Atualmente é Pró-reitora para a Sociedade e Cultura e desde outubro de 2020 coordena o Gabinete para a Igualdade de Género, responsável pela elaboração do Plano para a Igualdade de Género na Universidade de Évora.

.

Seguintes conferências:

31 de Março || Quinta-Feira 21h30

Ana Cristina Martins (Universidade de Évora)
“As mulheres na arqueologia”

Resumo

«Pretende-se, com a esta conferência, apresentar diferentes aspectos da história das mulheres em arqueologia, com realce para o caso português, contextualizando exemplos, apresentando hipóteses de trabalho, comparando realidades extraídas de diferentes áreas científicas e estabelecendo pontes entre factos pretéritos e atuais.» Resumo da autora Ana Cristina Martins.

Sobre a autora

Doutora em História (ULisboa, 2006); licenciada em Arqueologia e História pela Universidade Estadual de Voronezh (Rússia, 1991), e em História e Arqueologia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL, 1994). Entre 2007 e 2015 foi professora auxiliar de História e Património na Universidade Lusófona (Lisboa), e investigadora no Centro de Arqueologia da UL. Investigadora e investigadora de pós-doutoramento no Instituto de Investigação Científica Tropical (2008-2013-2014), fazendo curadoria de coleções arqueológicas e desenvolvendo história da ciência. É investigadora no Instituto de História Contemporânea da Universidade NOVA de Lisboa desde 2014, integrando o Grupo ‘Ciência. Presidente da Secção de Arqueologia da Sociedade de Geografia de Lisboa; vice-Presidente da Assembleia-Geral da Associação de Arqueólogos Portugueses; e membro da Comissão Científica da Historiografia da União Internacional das Ciências Pré-Históricas e Proto-Históricas.

.

Coordenação das tertúlias «Género e poder»: Maria Zozaya-Montes e Catarina Boavida.

*Texto de apresentação: Catarina Boavida Esgalhado e María Zozaya-Montes.

TERTÚLIAS SOBRE GÉNERO E PODER, CICLO “SHE IS POWER”

Lugar: Sociedade Harmonia Eborense, Praça Geraldo 72, Évora. Hora: 21h30.

Entrada: quotas em dia (3€ por mês)

Mais informação do ciclo e da coordenação:

María Zozaya-Montes, «”Género y poder” en la SHE», Corporativismo y grupos profesionales, ISSN 2605-3519, 17 marzo 2022, disponible en: https://corporativo.hypotheses.org/920

Citar esta entrada:

María Zozaya-Montes e Catarina Boavida Esgalhado, «Tertúlias sobre Género e poder no ciclo “SHE is Power” (PT)», Corporativismo y grupos profesionales, ISSN 2605-3519, 17 marzo 2022, disponible en: https://corporativo.hypotheses.org/936

creative.commons

María Zozaya-Montes

Sobre la webmaster de este blog OpenEdition: M. Zozaya Montes trabaja desde 2013 en el CIDEHUS, Universidad de Évora, Portugal. Es investigadora, actividad con la cual ha publicado varios libros y recibió varios premios (Extraordinario de Doctorado, y de Licenciatura de la Complutense, UCM; Premio Villa de Madrid; Asociación de Historia Social; y Real Maestranza de Caballería de Ronda).

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInFlickrYouTube


María Zozaya-Montes

Sobre la webmaster de este blog OpenEdition: M. Zozaya Montes trabaja desde 2013 en el CIDEHUS, Universidad de Évora, Portugal. Es investigadora, actividad con la cual ha publicado varios libros y recibió varios premios (Extraordinario de Doctorado, y de Licenciatura de la Complutense, UCM; Premio Villa de Madrid; Asociación de Historia Social; y Real Maestranza de Caballería de Ronda).

También te podría gustar...

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

Buscar en OpenEdition Search

Se le redirigirá a OpenEdition Search